revista fevereiro - "política, teoria, cultura"

   POLÍTICATEORIACULTURA                                                                                                    ISSN 2236-2037

Panteleimn ROMNOV1

contabilidade italiana

 

traduo de Moissei MOUNTIAN2

colaborao de Daniela MOUNTIAN

 

J havia quase trs horas que uma famlia de cinco pessoas estava sentada mesa para preencher o formulrio... As perguntas eram as habituais: qual a idade, origem social, o que fazia antes da Revoluo de Outubro, etc., etc.

? Que trabalho dos diabos, sinceramente no tenho mais foras pra isso - disse o pai, limpando o pescoo grosso e suado. - Apenas cinco linhas sarnentas, mas do um suor, parece que estou puxando uma carroa.

? Onde paramos? - perguntou a esposa.

? Onde... sempre no mesmo lugar, na origem social. Eu esqueci o que escrevi da ltima vez, apenas isso.

? Talvez passe, quem sabe nem percebam?

? Como que no vo perceber se vai pra mesma repartio, no diga tolices.

? Parece que voc escreveu ser de origem clerical - disse o filho mais velho.

? No, no, de origem advocatcia, eu me lembro - disse o mais novo.

? Mas isso nem existe. Se no entende de nada,no se intrometa. E pra que essa barriga em cima da mesa ?..

? O que est fazendo, paizinho? - perguntou o vizinho ao entrar no aposento.

? Pois , sempre na mesma questo...

? Mas voc age com muita cerimnia. Aqui necessrio ter mais coragem.

? O que significa isso? No tem nada a ver com coragem, o negcio que eu esqueci a origem social do formulrio passado. Estou tentando dar um tiro no escuro. Se escrever que de tal origem, pode no condizer com a profisso. J estraguei trs folhas. L vou eu pedir outras. Fico at sem jeito.

? Acima de tudo, necessrio prestar ateno na origem.

? Mas j faz trs horas que estamos prestando ateno nisso... Numa folha eu escrevi origem clerical, ento fiquei com medo. Depois me apresentei como um cidado honorrio, mas hoje em dia isso uma honraria intil... Oh, Deus, quando poderemos respirar livremente!.. Veja bem, meu av era um deo, meu pai um proprietrio rural (muito pequeno), j eu sou um nobre honorrio...

? Hereditrio...

? Melhor dizendo, hereditrio. Ento, na verdade, qual seria a minha origem ?

? Isso nem pr?o diabo serve - disse o vizinho inclinando-se sobre a mesa com uma carranca. - Mas nesta folha, ao que parece, est escrito: filho de uma faxineira e um pedreiro.

? No, isto eu... eu apenas rascunhava uma combinao...

? Mas achou uma combinao bem esquisita - disse o vizinho -, por que precisamente uma faxineira com um pedreiro? Sugere ideias meio indecentes.

? Sim, tem razo.

? Ento, pulem esta parte, seno a cabea dele vai ficar ainda mais cheia - disse a esposa.

? Que seja, no h nada a fazer, passemos adiante. Mas isto aqui ainda melhor: no item seguinte perguntam o que eu fazia, veja bem, antes da Revoluo de Outubro e como eu colaborei nela. Tratem de inventar alguma coisa.

? Participava das procisses - disse o filho mais novo.

? Que bobagem, qualquer asno pode participar das procisses.

? Escrevia panfletos - disse o mais velho.

? E onde esto eles?... S o diabo que sabe. No incio, isto tudo podia ser at hilrio, mas, agora, no tem graa: amanh o ltimo dia de entrega, e nada ainda. Por ora, terei de pular este item tambm. Agora: recebe algum ordenado? Se eu escrever que recebo, ser necessrio dizer quanto. E, em consequncia, tomarei um imposto. Mas, se eu escrever que no tenho ordenado nenhum, iro se perguntar: de onde vm os recursos dele? Quer dizer, eu teria ocultado um capital. Mas que tratado diablico. Uma espcie de contabilidade italiana.

? Eis o que voc deve lembrar como uma regra geral: dar respostas sucintas e, de preferncia, usar tracinhos. Mantenha-se numa posio passiva, e no ativa.

? Excelente. S que aqui eles nos sugerem responder s perguntas. E, por obsquio, se me perguntam qual a minha origem social, isso seria o qu? Ativo ou passivo?.. Ah, chegou Micha, uma figura oficial. Ajude-me, irmo, vocs nos torturam com esses seus formulrios...

? O que tem a? - perguntou ao entrar o homem corpulento, que vestia uma blusa cingida por um cinto estreito.

? Pois temos aqui uma nova distrao: estamos decifrando um rbus.

O recm-chegado tambm apoiou os cotovelos na mesa, puxou as folhas para si e franziu a testa. Todos olharam para ele com esperana e expectativa.

? Por que voc preencheu desse jeito estranho? - perguntou ele, olhando para o dono da casa com perplexidade.

O pai enrubesceu, sorriu desnorteado e disse:

? Porque ns aqui, por assim dizer... fazamos uma combinao pra ver no que daria...

? Bela combinao: numa folha voc um cidado honorrio, e na outra um oriundo do clero... Mas quem voc na verdade ?

? Como assim quem ?

? Bem, qual a sua origem ?

? Hum... meu av era um deo, meu pai um proprietrio rural (muito pequeno), j eu...

? Ento escreva que oriundo do clero. E fim de papo.

? Mas e se de repente...

? "E se repente" o qu ?

? Ento, est bem, eu apenas tinha comeado a rascunhar.

? Viu s, em cinco minutos resolvemos tudo. Bem, estou com pressa.

Quando o homem corpulento saiu, o dono da casa limpou a testa suada e olhou em silncio para o vizinho:

? Mal me olhou, esqueci que meu cunhado. Oh, Deus, tenho medo de qualquer um. Ainda bem que eu inventei essa de rascunho. Olha s o que ele deu de escrever.

E, olhando para a porta, rasgou a folha e atirou os pedacinhos fornalha. Depois, esticando o corpo, disse:

? No, no consigo mais, melhor amanh de manh, com a cabea fresca.

A esposa, que havia sado a algum lugar, aproximou-se da mesa e deu uma espiada no formulrio. Diante dela jazia uma folha em branco.

? No conseguiu escrever nada ?

? Somente a idade.

De noite, a esposa despertou e viu o marido sentado mesaapenas com roupa de baixo e meias.Ele segurava a cabea e balbuciava:

? Ento, est bem, vamos supor que eu seja um profissional liberal, mas de qual tipo ?... Se eu escrevia panfletos, e eles queimaram... Bem, comecemos do incio:

Meu pai era um proprietrio rural, meu av um nobre honorrio, j, eu, sou um deo.

Oh, meu Deus, eu vou subir pelas paredes !...

 

1921

Compartilhado





























fevereiro #

5






1O conto "Contabilidade italiana" (Italinskaia bukhgaltiria) foi traduzido de Panteleimn Romnov, Svitlye Sny, roman, rasskzy. Moscou: Moskvskii Rabtchii, 1990, p. 115-118.

2Moissei Mountian, nascido na Moldvia, ento parte da URSS, tradutor e editor da Revista e Editora Kalinka.