revista fevereiro - "política, teoria, cultura"

   POLÍTICATEORIACULTURA                                                                                                     ISSN 2236-2037

Paulo ARANTES por Alexandre CARRASCO

extino

 

Paulo Arantes, Ed. Boitempo, So Paulo, 2007, 315 pp.

 

Extino um conjunto um pouco desigual de ensaios, entrevista e textos de circunstncia, divido em seis partes. Desigual porque h ensaios de extenso flego, e que cobrem um conjunto amplo de problemas, alinhados a artigos menores e, diramos, mais retricos. Diramos se fosse o caso no levar em considerao tambm que a prosa sincopada e compacta do autor (bem verdade, sujeita a certo maneirismo), que percorre de um a outro extremo o livro, no valesse igualmente como argumento e figurao para suas posies: assim essa forma ultramoderna de apresentao, justapondo no mesmo plano uma extensa e amplssima srie de elementos heterogneos, sem a elegncia discreta das mediaes, deve dizer sim algo sobre o mundo que o Autor pretende descrever: um mundo em que as nossas tradicionais mediaes modernas (e civilizatrias) sucumbiram em nome da explorao nua e crua, a cu aberto, do pagamento em dinheiro. Claro que essa violncia do pagamento em dinheiro nos diz aonde o capitalismo pretende nos levar, partindo de onde parte hoje: parece que extino. E extino tanto quando a da prpria inteligncia e das inteligncias que o Autor no se furta cobrar e s agora, depois de quase duas dcadas de fim da guerra fria , se sentem levemente incomodados com este admirvel mundo tambm extino da prpria modernidade: a potncia algo reguladora que colocava em ao certas categorias clssicas, por exemplo, a luta de classes a dar substncia poltica e ao progresso que sempre foi sobretudo o do capital, e que sumiram do mercado (em sentido prprio e figurado) graas ao capitalismo triunfante que pode agora se dar ao luxo de regredir para progredir no seu destino espiritual de valorizao do valor. Bom, sem muito aviso, j estamos no assunto do livro falando sua lngua, e ao leitor, minimamente habituado ao Autor e um pouco desavisado, no resta seno sucumbir a tentao de mimetizar sua prosa medida que apresenta seu assunto, a tal bizarria estilstica como algum j escreveu para indicar o justo oposto. Mas antes de voltarmos s nossas chinelas, vale notar, como primeira constatao bsica, que, se entre os textos de circunstncias e os longos ensaios, havendo algum rudo como parece haver, a mesma toada percorre todos dos textos, o que nos parece mais revelador da natureza do livro do que pretenderia ser uma ou outra v incongruncia menor.


Pois bem, e voltando modestamente a nossas chinelas, o projeto do livro, e falamos em projeto porque parece que ele no se limita a indicar um conjunto de problemas, mas propor um mtodo (levando em conta o que isso significaria em um livro dessa natureza), se desdobra em pensar o que ele identifica, com alguma razo, com o brutal e amplo aggiornamento do capitalismo consigo mesmo, um virada ps consenso keynesiano e fim da guerra fria, e que o autor pretende datar sob o triunfo da era Reagan e seu tpico reaquecimento da ento guerra fria, bem mais fria nos anos Carter aps a famosa poltica triangular de Nixon e seu sucedneo, a coexistncia pacfica. Tudo isso, somado s polticas econmicas correlatas dos anos Reagan a disciplinar as muitas crises dos anos oitenta, aqui e alhures. A datao pode ser controversa e aparece de modo difuso no livro, mas parece que ali que encontramos o segredo do que viria a ser a nova guerra de um mundo, em tese, mas s em tese, pacificado, elemento chave para compreender de que fala o Autor e, segundo o prprio, de que capitalismo se trata. Retomemos e expliquemos. A constatao inicial de que estamos diante da guerra e pode ser resumida como segue: Pois, a Segunda Guerra Fria tambm terminou. E, no entanto, continuamos diante da guerra. Ou, por outra: se Hobsbaw tem razo, ningum saberia dizer ao certo o que, afinal, temos pela frente. A seu ver, ainda um tema a ser debatido o quanto as aes em que as Foras Armadas norte-americanas tm estados envolvidos, desde o fim da Guerra Fria, em vrias partes do globo, constituem ou no uma continuao da Era da Guerra Mundial. Mesmo assim, creio que ajudar um pouco perceber de sada que, a rigor, no estamos mais literalmente diante da guerra. (p. 26).


Este o sentido de Diante da guerra: ela no chega mais, pelos jornais, est a, incorporada normalidade. Poderamos presumir que no tanto da constatao de que a Guerra (com g maiscula) mudou de sentido, mas que seu sentido s muda quando o capitalismo muda igualmente de sentido. Pensando as duas guerras do Golfo (mais a interveno da Otan nos Balcs) e o mundo ps 11 de setembro, Paulo Arantes pergunta-se o que mudou no alvissareiro (nem tanto) capitalismo la Keynes para se transforma na Besta de todas as formas de precarizao e violncia de nossos dias. No por acaso, para o Autor, o fim do ciclo keynesiano coincidi com o ativismo poltico, econmico, e agressivamente militar e estratgico da era Reagan. Da nossas breves referncias dupla visada da doutrina Reagan: no s uma ofensiva militar e estratgica como um redesenho econmico do mundo. Ao alinhar poder em estado bruto (para onde migrou a poltica) e vanguarda da acumulao dois aspectos que o Autor no informa exatamente a natureza de sua correlao os EUA estariam em condio de forjar um novo Imprio (tambm com letra maiscula) j agindo como tal: neste novo contexto que h uma nova guerra, agora sob a gramtica desse novo Imprio. Para simplificar, digamos que a melhor imagem para indicar a natureza desse novo imprio tenha que ver com um retorno ao status quo prvio a Guerra dos Trinta Anos e seu termo com a Paz de Westfalia (1648): sabendo que a Paz de Westfalia que normaliza o sentido jurdico de soberania e do direito a guerra redesenhando o ordenamento internacional, estamos agora diante de um estado de coisas em que o Sacro Imprio Romano Germnico (contra quem a Paz de Westfalia feita) permanece o rbitro absoluto das soberanias (relativizadas) e que as razes de estado passam a sem outras tantas indisciplinas em relao nova ordem mundial, a critrio sempre da ltima razo do Imprio. Como isso possvel? Mais uma vez, formulamos a hiptese tentando acompanhar o autor: em tempo de Doutrina Truman (conteno) o poder seguia uma agenda especfica, em muitos momentos convergentes, em todo caso, interdependente em relao aos mecanismos de acumulao. Tanto que h quem no identifique a Doutrina Truman com o Plano Marshall, entendo-as como duas iniciativas que obedecem a lgicas distintas. Assim, nada ligaria imediatamente a manuteno da posio compradora do mercado europeu diante da escassez de divisas com o fim da Segunda Grande Guerra com a primeira interveno americana na Grcia. Resumimos um pouco brutalmente, certo, o acmulo de poder militar e estratgico seguia pari passu com um novo ciclo de modernizao conservadora (s vezes, nem tanto) que incorporava territrios, recursos e fora de trabalho na roda viva da produo capitalista, com o qual no coincidia imediatamente, ao mesmo tempo em que criava condies objetivas para a disputa poltica (segundo os expedientes clssicos, sindicatos, partidos de classe, etc.) de sua parte no produto nacional. O que pretendemos dizer, porm, que o desenho geopoltico mundial exigia mediaes civilizatrias (o consenso keynesiano), arbitradas, em ltima instncia, politicamente, como, por exemplo, certa paridade dlar/ouro acordada em Bretton Woods e que foi chave para a nova vaga de industrializao mundial ps Segunda Grande Guerra. Era o sonho de um capitalismo domesticado.


Com o fim da guerra fria, com o esfacelamento sovitico, a conteno passou quase imediatamente a ser policiamento e todo o poder estratgico e militar acumulado nos anos de concorrncia mundial (o simptico hard power) passou a funcionar em sinergia irrestrita com o processo de acumulao, eis que estamos diante do novo imperialismo americano. Ao operar com essa conjuno como pedra de toque crtica, o Autor recupera, com muito pertinncia, o que pode ser entendido como as origens ideolgicas do Imperialismo americano (alis, o termo j foi usado por Raymond Aron, explicando, em alguma medida, a excepcionalidade da poltica externa gaullista): o destino manifesto, a teoria americana para as fronteiras a serem ocupadas, os sucessivos corolrios da Doutrina Monroe e o padro de imperialismo interior praticado pelos EUA sob a rubrica de expanso interna a partir das treze colnias (algo que Hobsbaw faz meno em A era do Capital) do a primeira de mo espiritual do novo imprio. Mas no s isso: mesmo o ordenamento jurdico internacional e seu adensamento formal depois da Segunda Guerra Mundial e com a criao das Naes Unidas, no que ele tem de mais avanado, o direito internacional dos direitos humanos e a criminalizao da guerra no direito internacional, tambm, no contexto deste novo Imprio que se anuncia, passam a funcionar ideologicamente (isto , como uma nuvem de palavras que nada revela de seu contedo) e legitimam uma nova polcia mundial, mscara da nova ordem poltica mundial, levada a cabo pelo nico garantidor de ltima instncia, o complexo industrial-militar americano. E assim o porque esses tantos discursos s funcionam ideologicamente se h o tal garantidor de ltima instncia. Sobre o nosso arraial, vale lembrar que cem anos de poltica externa americana (EUA) no subsistema americano (o continente) no deixa as melhores lembranas: tirando a poltica da boa vizinha de Roosevelt, excepcional por bvias razes; da poltica do dlar (somada ao big stick) do comeo do sculo at o consenso de Washington, (Iniciativa para as Amricas e Alca) passando pela Aliana para o Progresso (de resultados praticamente nulos), no h como alimentar boas expetativas sobre o que nos espera. A poltica externa americana sempre foi agressivamente invasiva (sobretudo depois da Guera com a Espanha em 1898) em nome dos seus interesses, a ponto de a histria de nossa poltica externa reputar a manuteno da Amaznia como territrio brasileiro, diante das investidas americanas (reais, bom notar), na segunda metade do sculo XIX, como um dos grandes feitos da poltica externa do Segundo Reinado. Como contra-prova, basta olhar, um pouco acima no mapa, o que foi e o Panam.


Enfim, retomando e traduzindo agora essa visada mais geral do Autor em linguagem popular, podemos dizer que por aqui, nas terras de Santa Cruz, Paulo Arantes localiza o momento chave de grandes mudana semnticas (e nada que ver com as novas narrativas). Pela ensima vez, um golpe foi dado contras as tai reformas de base e eis que, nos anos oitenta do sculo passado, as reformas reaparecem, depois de uma conexo em Washington, prontas para circularem nos mais restrito jetsets. E estamos h quase trinta anos nisso. Desse modo, para explicar aquilo que passou quase batido pelas mais delicadas inteligncias, a saber, que j no h mais guerras de nao (como foi para ns e para nossos scios no cone Sul, guardadas as propores, a guerra da Trplice Aliana, nossa conhecida guerra do Paraguay, exceo feita ao prprio Paraguay), que o estado de guerra perdura e que as guerras no tm fim porque no so mais guerras, o autor forja o conceito chave guerra cosmopolita. Mas, ento, o que h? Eis o que ele pretenda que seja a novssima figura da guerra cosmopolita: normalizao da guerra sob o arcabouo material e ideolgico do Imprio. Antes de entramos mais detalhadamente nos pressupostos materiais da nova guerra, detenhamo-nos em seu sentido. Por que guerra cosmopolita? Menos por ser uma guerra permanente, em que o estado de guerra faz as vezes do estado policial e mais por ser efeito de um notvel rearranjo das foras produtivas e seus reflexos em termos de poder e projeo de poder. H, pois, um duplo diagnstico: com o fim do consenso keynesiano (segundo o diagnstico do Autor) o processo de acumulao retorna sua infncia refoule: estamos diante de um novo ciclo de acumulao primitiva, com tudo aquilo que o caracteriza: genocdio, escravido e guerras justas. Genocdio e guerra justas contra as populaes da nova orbis, escravido africana, crony capitalism, capitalismo de acesso, novos cercamentos, passado e presente do capitalismo embaralham-se.


H ainda outros elementos que detalham o quadro montado pelo Autor: a especializao e profissionalizao da guerra por parte do Imprio ps Vietn e o fim da circunscrio obrigatria e seu sucedneo, a espetaculizao da guera a uma sociedade que no mais participa dela enquanto tal , o recente arranjo financeiro mundial (China e bnus do tesouro americano) que permite ao EUA fazer da guerra permanente um estado de relativa desmobilizao interna, de modo a normalizar ainda mais a guerra.


Entre ns, os esquemas do Autor reforam a dependncia, a teoria de que continuamos sempre ns mesmos: no mundo que emerge, ou seguimos os fortes ou perecemos com os fracos.


Pode-se dizer que deste enjeu crtico, cristalizado ao longo do livro, que o Autor faz a roda do fado girar. E nessa apresentao de dois flegos percebe-se que so muitas as direes em que se aponta, impossvel repertori-las todas.


Tomemos agora o nosso e novo flego. Se, de incio, mencionramos a tal prosa sincopada de nosso Autor, tambm no era para fins de nossas prprias negaas estilsticas. Tal modo de usar tem a ver com a maneira que o Autor investe de realidade seus dispositivos crticos: mobilizando os vrios elementos que mobiliza, histrico, literrios, jurdicos, geopolticos, militares, e, mesmo, afetivos, ele pretende que essa poderosa conjuno explicativa, reduzida a ns ao binmio, poder & dinheiro, d conta da atual idade espiritual do capitalismo como se a histria do capitalismo passasse por sua lgica, que sua lgica fosse sua histria. Mas no s isso: seu discurso algo fechado de tal modo que voc convidado/convocado a entrar no contedo e frequentemente na forma. E a, presos na Arapuca do Autor no raro falamos sua lngua como ventrloquos , pensamos com sua cabea sem pensar com a nossa (fenmeno, alis, bastante recorrente). E qual o fora desse discurso? Tal como seu discurso , cerradamente encadeado, seu fora o que dentro dele no dito, sou no-dito.


Tomemos, ento, o sentido da tal acumulao primitiva: a expropriao violenta, garantida pelo Estado, que se afirma como tal, de um bem pblico. Sem Estado no h acumulao primitiva e nem o mercado higinico com suas curvas de oferta e demanda. Mas se a histria da violncia, infelizmente, no se resume a histria do capitalismo, poderamos nos perguntar se estamos dentro ou fora do capitalismo, independentemente de estarmos no interior de uma tirania? Mais ainda, e se a histria da democracia tambm no se resumisse a histria do capitalismo? Democracia no mero constitucionalismo inglesa: o sufrgio universal (masculino e feminino) foi conquistado l na empiria, onde o pau come, durante todo o sculo XIX, a despeito do prprio capitalismo e da economia poltica de um David Ricardo, por exemplo. Mas dir (ou pretendemos que diga) nosso Autor que alavancado por um processo modernizador, ps guerras napolenicas, a tal luta de classes fornecia, por assim dizer, as condies de possibilidade de um processo integrador a dar relevncia poltica. A est o ardil: no interior de sua prosa, de tal modo compacta, as condies (clssicas) de possibilidade coincidem com a histria (que lhes revelaria?): e no temos muito mais vela para chorar tantos defuntos, quando cessa o sentido clssico de tais condio de possibilidade. Tambm a extino. Ainda: que no se pense que se est aqui a se considerar como gente sria, que faz coisas srias e dar sentido menor ao nosso brutal estado de crueldade social, como bem descreve o Autor a falar de nossa anomia (mas qu anomia, para um pas escravocrata?). Para o sujeito que perambula pelo marco zero dos altos do Piratininga, nada mais evidente que a violncia social em estado bruto. Mas se o fora desse discurso, bloqueado pelo no-dito, tambm se permitir pensar coisas verdadeiramente novas e ruins? Estaramos, afinal, a dez mil metros acima do mar?


A pergunta no meramente retrica como no pretendemos expiar o famigerado capitalismo de seus pecados mortais. Mas, a constatao da natureza da violncia (como da democracia) como simplesmente capitalismo (o simples aquilo leva a isso) por meio da forma de apresentao estrita e fechada que caracteriza o Autor (e no deixa de ser uma das suas altas qualidades) parece ocultar mais que revelar: ele no revela o agenciamento contingente de matrias e formas do prprio capitalismo. O fora do capitalismo, no poucas vezes tambm violncia capitalista est a a China , desaparece na noite em que todos os gatos so pardos. Notemos, porm, que tambm no isso que simplesmente nos diz o Autor: seu no-dito muito astutamente no o que ele no diz, mas sobre o que se cala. Com toda sofisticao. Da que avanar na franja do que ele diz, como tentamos fazer, em parte fazer seu jogo, mesmo que tenhamos a impresso, em certos momentos, de que ele mesmo avana nas franjas de seu prprio esquema crtico pensando j no mais propriamente o capitalismo ou um capitalismo, mas uma Tirania que intervertendo o processo se apropria do capitalismo, para ser menos capitalismo mais Tirania (mesmo que, nesses termos, o Autor no mencione o caso exemplar da China e sua vocao igualmente imperial).


Voltemos ao capitalismo diante do espelho: ontem e hoje: acumulao primitiva, pr-histria da pr-histria? Quer dizer, a crtica a(d)o capitalismo, no sentido clssico e auto-proclamado materialista pelo Autor, basta para compreender o sentido da tirania nossa de cada dia? No h sentido pensar violncia que no seja capitalista no interior do prprio capitalismo, h de nos responder o Manual do Zero Esquerda a este zero esquerda. Mas mesmo quando o capitalismo mobiliza violncias no capitalistas para operar (como nosso notvel exemplo, a escravido) ele obedece a sua lgica ou aceita a lgica da sua matria? - E poderamos voltar ao Escravido no Brasil Meridional do primo rico da famlia paulistana, e o atraso que nosso sucesso escravocrata proporcionou. Quando o capitalismo busca seu fora, no seria por que tambm podemos pensar de fora contra ele (e contra a concepo clssica do malfadado progresso social)? Talvez cheguemos bem perto do sentido de nosso reparo: o autor pretende que o ultrapassamento do capitalismo por si mesmo limpe completamente o terreno, no deixando restos a pagar: sua prosa fechada. Mas se, ao operar com o fora, o tal capitalismo aceite sua prpria anomia, no reduzindo tudo a seu mesmo, pura e simplesmente, nem permitindo que seu resto seja outro: temos um outro problema, e a idia de uma Imprio, tal como descrito, fica muito mais problemtica. Se mesmo nessa conjuno crtica dinheiro & poder, imprio e vanguarda da acumulao h menos razo e mais entendimento, menos imanncia e mais exterioridade, ns, da Federao dos Tamoios, no deveramos pensar esse desajuste do prpria capitalismo pensando sua histria anterior a sua lgica, tambm como enjeu crtico? Estas questes surgem margem da imensa gama de problemas apresentados por Paulo Arantes. A nossa critica, portanto, crtica da critica (e, mesmo, da crtica) : talvez falte ao livro ainda mais coisas novas e ruins, que buscamos um pouco erraticamente por fora e pelos lados deste livro. Por exemplo, a China, pela terceira vez. Se a China desafia, como faz, relativamente, o Imprio Americano. Ela uma candidata fortssima a superpotncia de tipo muito especial (vale notar que o livro, algo datado sobre isso, pouco fala da China): capitalismo selvagem, o verdadeiro passado do capitalismo que nosso presente, com uma brutal disposio acumulao primitiva, substituindo o taosmo como ideologia de Estado (Imperial, bom frisar) pelo comunismo-leninismo: este no , afinal, um verdadeiro ornitorrinco? E no so poucos os partidrios do progresso social a louvaro modelo chins. De qu? De acumulao primitiva? Assim, como fica o Imprio americano com a no desvalorizao do Yuan, ps crise de 2009? Evidentemente que no se cobra profecias do Autor (s vezes, suspeita-se que mesmo isso ele poderia oferecer, sob certas condies), mas o que podemos pensar disso com o livro em questo? A resposta no simples nem simplesmente negativa (nada).


Tomemos, puxando um pouco a brasa para nossa sardinha, o problema da poltica. Sem cair no vazio sem mais do fim da poltica, o fim da poltica de que fala o autor faz seu sentido relativo.


Por partes, e tomando o segundo ensaio Notcias de uma guerra cosmopolita e uma entrevista da quinta parte do livro Qual poltica?. E faamos assim para, ao tomarmos a opinio que circula fluda em vulgata de extrema esquerda sobre o fim da poltica, revelarmos que o Autor a advoga sob certas condies, que fazem sua diferena. Ou, para trocar em midos, dizer que aqui o problema outro. Para o leitor apressado, nada mais claro se clareza aqui categoria vlida de que estamos falando do fracasso modernizador de uma esquerda que chega ao poder depois de quase trinta anos de chamada democratizao, e etc, etc, etc. Bem entendido que o captulo PT das nossas desiluses tem lugar certo no livro e neste pequeno arrazoado, mas no se trata, no caso do livro, de juzo propriamente poltico, mas de como o autor pensa as condies de possibilidade da poltica e sua ausncia ou superao. E muito astutamente, ao falar do PT o autor est falando de outra coisa. Faamos nos entender:


Trocando em midos mais tangveis, digamos que padecem todos os egressos da ressaca dos ltimos vinte anos de uma espcie de nostalgia politicamente correta da luta de classes, como quem diz: no seu tempo tais lutas foram mais integradoras da o mantra da incluso. Os rfos do dissenso no suspiram pelos combates sociais de ontem, contra cujos excessos, de resto, no havia garantia nenhuma, longe disso: a ausncia pela qual vestem luto outra, embora tambm da ordem da pacificao de conflitos, a virtude inibidora das pulses destrutivas que se foi com a sbia calibragem poltica da luta de classes. Vistas as coisas do ngulo oposto, o roteiro mais familiar. Houve de fato um tempo em que as idas e vindas da luta de classes arrancavam, na forma de trguas mais ou menos duradouras, instituies que no brotariam por gerao espontnea no terreno adverso de uma sociedade antagnica: sindicatos, sufrgio universal, legislao do trabalho, seguridade social, etc. Como era de se prever, tais conquistas provaram no ser cumulativas nem irreversveis, as que sobrevivem continuam a se esvaziar (p.277)


Alis, a poltica de poder das grandes potncias como se diz no execrvel jargo das chancelarias est de volta, vivinha da silva. Vamos nos alinhar e marchar para o matadouro, como em agosto de 1914? A poltica que est se tornando, j se tornou irrelevante, nunca ser demais repetir, tal estado de prostrao diante do cadver errado, a poltica burguesa, enfim emancipada, por isso o Estado no cessa de transferir poder para o mercado o neoliberalismo isso, uma tecnologia de poder e governo para que haja mercado, e no a despeito do marcado, para corrigir suas disfunes quer dizer, cada vez mais transfere soberania para as empresas, at o limite do poder punitivo penal (p. 289).


Bom lembrar, de antemo, que grandes potncias vocabulrio do Congresso de Viena de 1814 e sua indefectvel poltica de regresso reacionrio ps revolucionrio, com direito h uma direita da direita, capitaneada pela Santa Aliana. Mas, se podemos entender (de modo bastante problemtico, verdade) o Congresso de Viena como um termo o que veio a ser a pax britanica a uma nova guerra dos trintas anos a disputa pela hegemonia continental que transborda do processo revolucionrio francs (mudando tambm de natureza) seu princpio de legitimidade, reconhecendo o status quo pr napolenico, seguia pari passu com um processo de modernizao social irreversvel, cuja face sensvel, por assim dizer, era a tal poltica burguesa (com muitssima luta popular), com substncia. O que se d hoje, segundo nos sugere nosso Autor, no uma nova rodada de negociaes conservadoras la Metternich, que, de todo modo, aceita a inexorvel modernizao, mas certo retorno ao Sacro Imprio Romano Germnico, logo, uma regresso violentssima. At aqui, tudo muito conforme ao esprito do livro. Mas, se ainda nesse esvaziamento, a tal poltica ainda operar relativamente, como opera relativamente a esfera da circulao simples no interior do capitalismo, mas operar pressionando, com o que h e o que tem, o tal acesso, ainda que o acesso ao altos funcionrios do capital e ao prprio, na forma de anti-valor, seja ultra-hierarquicamente controlado e essencialmente antidemocrtico? Ainda que menos a poltica e mais a representao parea ter entrado em uma idade de desfuncionalidade radical (a representao no representa, podemos muito facilmente dizer hoje) elas operam relativamente (em sua disfuncionalidade). Como pensar, mais uma vez, essa franja que no se extingue completamente, e resiste no espao (pr, ante, anti) capitalista da circulao simples (aquilo que o capitalismo recalca nele mesmo como seu outro), no interior do capitalismo?


Restaria ainda uma observao sobre o que o Autor diria hoje sobre a poltica externa brasileira: o desdm com que o tema tratado ao longo do livro tem a ver com a irrelevncia que um pas como o Brasil deve ter para uma teoria(com muitas aspas) do Imprio. Isto no se trata exatamente de uma objeo. Mas fica a curiosidade: quando as crticas a tal poltica a poltica externa brasileira se acirram na opinio pblica, na exata medida em que ela comea a se notar mais anti-hegemnica, como ficamos? Tomemos rapidamente o episdio do Ir e seu programa nuclear, e a recusa do Brasil em assinar protocolos adicionais do TNP: se cobra do Brasil a aceitao sem mais da poltica de polcia americana, sem levar em conta que, para alm do bvio novo grande problema geopoltico que significa a nuclearizao do Ir e o desequilbrio de poder regional que est em jogo no Oriente Mdio, o Brasil o nico pas do mundo que detm a tecnologia do ciclo do combustvel, tem um programa relativamente bem sucedido de uso pacfico de energia nuclear (fins mdico e de suprimento de energia) e possui a terceira maior reserva de urnio do mundo, o que d auto-suficincia tecnolgica e material para programa nuclear do pas e, a longo prazo, um fonte estratgica de suprimento de energia. Soma-se a isso o fato de o pas no ter nem o dispositivo nuclear (a bomba) nem capacidade de entrega (means of delivery). A ofensiva brasileira, neste caso, bastante legalista, alis, , por bvias razes de soberania, nosso ltimo recurso contra um mpeto de policiamento que pode sim nos atingir estrategicamente mais cedo ou mais tarde. Da a se notar que o direito ltima razo dos reis estar mitigado diante das prerrogativas de polcia do Imprio.


Concluindo provisoriamente: aqui se encontra o que o tal Crates dizia dos escritos de Herclito, que era necessrio um leitor bom nadador afim de que o peso e a profundidade da sua doutrina no o afogasse: adgio que deve valer para textos to dialticos quanto aqueles to impetuosamente anti-dialticos. Observao que em nada pretende dizer do alcance de nossas braadas. E que ningum duvide da integridade do livro e do projeto crtico do Autor. Nada mais distante dele que falta de inteligncia: o livro, com seu vrios elementos datados, sobrevive como esforo notvel, resultados relevantes e possibilidade que d para pensar em seu contorno, entorno, dentro e fora dele e contra ele. No nos furtaremos, entretanto, a uma ltima observao.


E mudemos, ento, repentinamente de registro. Por uma bvia questo de falta de classe. De que classe fala nosso Autor? a nossa vez de perguntar com quem voc acha que est falando to tpico das classes bem educadas brasileiras. Mais do que um membro de bonne souche da escola dos Paulistas, o Autor tem l seus ares de paulista de quatrocentos anos, a sua prpria revelia, bom frisar. Bom, e antes que me acusem de mau leitor, de um processo de inteno, lembremos que o autor no se furta a localizar e mesmo reiterar sua condio de boa classe (o adjetivo um pouco por nossa conta): da famlia espiritual dos paulistas, frequentou os maiores espritos de seu tempo, intelectual brasileiro pau para toda obra, formado em sua notvel tradio crtica e membro hoje algo recalcitrante, Paulo Arantes tambm fala de e reafirma seu lugar de classe. E lamenta (sem muito admitir) que sua classe, outrora, alm de pertinentemente crtica, era tambm vanguarda da modernizao conservadora (prefervel) que a crueldade (bem real) de um pas que no sai do lugar, e que d em um fim de linha to, mas to bvio e a bom frisar, no to bvio para aqueles que, treinados pela nossa permanente sociabilidade regressiva, sempre desconfiaram da tal solidariedade de classes, os pretos e pobres de sempre : precarizao (dos outros) sob todas as formas, fuga generalizada do espao pblico (se houve), apago da inteligncia. Desde o Manual do Zero Esquerda, Paulo Arantes no se cansa de lamentar estridentemente (a palavra no bem essa, repitamos) os destinos de sua classe dos inteligentes que destino dos paulistas, a teoria crtica tornar-se teoria tradicional, assim, simples assim. Sem propriamente escapar dela e da vulgata da dependncia, outra fina flor paulista, nosso Autor tem l suas ladainhas. Da que sua msica no livro seja Ronda (do notvel Doutor Vanzolin): de noite eu rondo a cidade, a te procurar (...), - e quem disse que no se samba mido em So Paulo? - mais pertinente que o trecho citado cena de sangue num bar da av. So Joo (p. 234). No acha mais, do seu lugar de classe, o que estava acostumado a encontrar. Ns, mais ou menos desclassificados, exrcito de macabeus, filhos de pais populares (como atestou o juzo de um dos melhores da escola do Club Athltico Paulistano) ficamos com Volta por Cima, porque, como os ndios de Parelheiros (todos remanescentes de um capitalismo regressivo, com seu passado e futuro coincidentes), no temos como escapar da condio de classe e do capitalismo, seja ele qual for: reconhece a queda, no desanima levanta, sacode a poeira e d a volta por cima.

Compartilhado





























fevereiro #

1