revista fevereiro - "política, teoria, cultura"

   POLÍTICATEORIACULTURA                                                                                                    ISSN 2236-2037

 

Ilustraes: Daniel NASSER

Antonio CCERO

 

A hora certa

Certas coisas acabam na hora certa:
mas essas so to raras;
pois quase todas as coisas se enterram
bem antes de acabadas,
esboos de si mesmas, ou ento
depois da prpria morte,
em estado de decomposio:
por exemplo, os amores,
os ideais, a juventude, as vidas
dos animais, dos seres
humanos e dos deuses, os poemas...
Mas viva na memria o que consiga
inesperadamente
chegar ao prprio termo na hora certa.

   
 

 

   
 

 

 

 

   

 

     
         

 

 

deriva

Anda cada vez mais longe o rapaz
que amei, mas a imaginao o traz
de volta. Sei que um dia eu o terei
perdido mesmo em pensamento e sei
que at l seguirei as mesmas rotas
de bares, alegrias, anedotas
e a falsa eternidade de uns instantes
de sonhos mais vulgares que brilhantes.
Hoje noite, deriva, busco alguns
consolos nos lugares mais comuns,
num trecho de cano e num rapaz
que ao me cruzar o lembra, o que me faz
to infeliz que encontro porventura
poesia at em subliteratura.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A vida e eu

A vida era por mim apaixonada.
Eu mal a via, mal tratava porque a tinha
desde sempre j
e o seu amor era mais certo do que o cu
que eu respirava,
mais perto do que o cho que eu pisava
ou os corpos que abraava.
E no logo, s aos poucos, lenta, lentamente
que o amor de menos de um mata o amor de mais do outro.
Assim, foi s aos poucos, sem que eu percebesse logo em suas distraes,
foi lentamente enfim que a santa vida pouco a pouco se afastou de mim.

 

 

 
           

 

    
    

 






























fevereiro #

9